martes 27 septiembre, 2022
banner agfa

Novedades de Sociedades CBR

O Boletim do CBR acabou de receber os números oficiais do XXXIV Congresso Brasileiro de Radiologia, realizado nos dias 12 a 14 de novembro de 2005, na cidade de Brasília (DF), organizado pelo Colégio Brasileiro de Radiologia e pela Sociedade de Radiologia e Diagnóstico por Imagem de Brasília.

O evento recebeu 1.331 Médicos e técnicos (pagantes), 102 Professores e Diretoria CBR. A distribuição por estados e regiões ficou assim disposta:

Região Sul:  RS  36;  SC 33;  PR 30 – Total:  99
Região Sudeste:  ES  20;  MG  113;  RJ  83 – Total: 216
São Paulo: 212
Região Centro-Oeste: DF 318; GO 101; TO  9; MS 9; MT 11 – Total: 448
Região Nordeste:  BA 109; PB 24;  PI 21; SE 9; MA 18; CE 27; AL 21; RN 21; PE 48 – Total: 298
Região Norte: AC 2; AM 12; RO 5; AP 5; PA 34 – Total  58.

Os professores não foram distribuídos por estados. Podemos ver que o congresso atraiu médicos de todos os estados brasileiros. Esse fato tem importância geográfica, na medida em que é mais fácil para o colega do Amapá, Roraima, etc. vir à Brasília. A Comissão Organizadora em nome do Dr. Manuel Aparecido Gomes da Silva agradece a todos o apoio e a participação.

Parte Científica   
A preocupação da Comissão Científica foi de organizar uma programação do mais alto nível, intensa e forte do início ao fim, com excelentes professores, temas que abrangessem desde o básico até o que se faz de mais atual em diagnóstico por imagem. Isso foi alcançado na medida em que tivemos uma freqüência muito boa em todas as salas. A única exceção foi o curso de técnico de raios X, em que esperávamos 60 pessoas e tivemos menos. Não podemos dar destaque a um curso em especial, pois todos tiveram nível excelente, atestado por todos que assistiram as aulas e nos transmitiram os elogios.

Uma das novidades foi a CCRP Júnior, onde radiologistas jovens (com menos de 40 anos e mais de 5 anos de formados) tiveram a oportunidade de estudar e apresentar um caso, nos mesmos moldes da CCRP Sênior. Foi muito bom o resultado.

Outra novidade foi a apresentação dos trabalhos sob a forma de painéis eletrônicos, a exemplo do que já é feito no Congresso Europeu e será feito no Congresso Mundial de US, na Coréia, em maio próximo. Tivemos algumas dificuldades iniciais na adaptação do regulamento de apresentação dos trabalhos, as quais fomos resolvendo à medida que apareciam. Consideramos o resultado muito bom, pois apesar de ser a primeira experiência, tivemos 250 trabalhos inscritos selecionados.  

Essa forma de apresentação traz muitas vantagens como facilita o estudo porque foram colocados 32 computadores à disposição dos congressistas e um funcionário à disposição para orientação e esclarecimento de dúvidas. O médico podia acessar todos os trabalhos de forma independente e rápida. Os trabalhos ficarão à disposição para consultas após o Congresso no site do CBR (na forma tradicional ele só pode ser visto durante o Congresso).

Os trabalhos foram separados por área. Todos os trabalhos de cada área foram julgados pelos mesmos três professores (especialistas naquela área), o que proporciona um critério mais uniforme de julgamento. Os melhores trabalhos de cada área foram selecionados e seus autores foram convidados para fazer a apresentação oralmente, em horário nobre, no auditório em que estava sendo estudado aquele tema (p.ex.:  Trabalho de neuro, apresentado na sala de neuro).

Outra vantagem é a financeira porque para a pessoa que apresenta o trabalho, significa grande economia, na medida em que não precisa gastar aproximadamente 350,00 para a impressão do painel. Também não tem o transtorno de trazer os tubões com o trabalho e levá-lo de volta após o Congresso, sem utilidade. A Comissão Organizadora também economiza em espaço e em dinheiro, não tendo que montar toda a estrutura para a fixação dos trabalhos impressos. O Convite para a apresentação oral já constitui uma honraria. Essas apresentações receberam um certificado especial.

Essa forma ainda traz uma vantagem excepcional:  no sistema tradicional, o autor manda inicialmente um resumo do trabalho, que na verdade é um projeto do trabalho. Se ele for aceito, o autor desenvolve o trabalho e leva ao Congresso. A seleção dos trabalhos dessa forma é bastante falha, sendo recusados trabalhos excelentes (cujo resumo/projeto não expressou a qualidade) e aceitos trabalhos medíocres porque o projeto induzia esperar outra coisa.

No sistema de painel eletrônico, o trabalho é enviado pronto para a análise, aceitação ou recusa. A avaliação inicial é feita por uma Comissão local.  Se aceitos, são enviados para o julgamento. Como em tudo que está em início deve ainda ser aperfeiçoado, o que é necessário a colaboração de todos.

Segundo o Tomaz, funcionário do CBR responsável pelo site e que acompanhou a consulta aos trabalhos durante o Congresso, a idéia teve 70% de aprovação. As restrições foram feitas por radiologistas idosos e que não se adaptaram a tecnologia computadorizada.

Artículos relacionados

Cobertura LG Electronics en JPR 2022

Dialogamos con Wilfredo Rodríguez, Ingeniero de ventas para Latinoamérica de LG Business Solutions; división Médica. La línea Médica de LG se lanzó al mercado en...

Tomografía Computada y Molecular Imaging de GE Healthcare en JPR 2022

João Paulo Souza es el Líder de Molecular Imaging (MI) y Computed Tomography (CT) para Latinoamérica en GE Healthcare. Dialogamos con él luego de...

Congreso Colombiano de Radiología

Este año volvió el CCR 100% presencial y volvió con todo. Los pasillos de la exposición comercial estaban llenos y las aulas de las...

El futuro de la salud está conectado

Felipe Basso es director de sistemas de salud de Philips en Brasil. En JPR están mostrando el portafolio de servicios y soluciones médicas para...

Seguinos

2,319FansMe gusta
1,306SeguidoresSeguir

MÁS LEIDOS